Fluminense pedirá efeito suspensivo para técnico Abel Braga nesta quinta

Mário Bittencourt entrará com recurso diante das punições ao treinador e ao atacante Rafael Moura, mas não tentará efeito suspensivo para o He-Man

O Fluminense vai fazer de tudo para ter o técnico Abel Braga no banco de reservas nas últimas oito rodadas do Campeonato Brasileiro. Nesta quinta-feira, o advogado tricolor Mário Bitencourt vai entrar com um recurso no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para tentar diminuir as suspensões recebidas pelo treinador (quatro jogos) e pelo atacante Rafael Moura (dois jogos) por causa das polêmicas do último Fla-Flu. Depois de uma reunião com a diretoria e a comissão técnica, no entanto, ficou definido que o Tricolor só tentará o efeito suspensivo para o seu comandante.

abel stjd fluminense (Foto: Thiago Fernandes/Globoesporte.com)

– Vamos recorrer das duas decisões do STJD, mas só vamos entrar com o pedido de efeito suspensivo para o caso do técnico Abel Braga. E acredito que temos boas chances de obter sucesso. Queremos o nosso comandante na beira do campo – explicou o advogado Mário Bittencourt, na noite da última quarta-feira, durante o coquetel de lançamento do curso de gestão desportiva do Instituto de Aprimoramento Jurídico (IAJ), do qual o mesmo é um dos professores e cordenadores.

Decisão em conjunto entre diretoria, comissão técnica e jurídico

O pensamento tricolor é simples: a pena de dois jogos de suspensão para Rafael Moura pela cusparada em Renato Abreu já foi considerada uma vitória pelo departamento jurídico do clube. Por mais que ele não possa ser escalado no próximo sábado, contra o Atlético-MG, no Engenhão, justamente quando o titular Fred também está suspenso, no caso pelo terceiro cartão amarelo, o jurídico, a comissão técnica e a diretoria entenderam que o cumprimento da pena agora diminui o risco de perdê-lo nas rodadas finais do Campeonato Brasileiro, o que aconteceria se o clube conseguisse o efeito suspensivo e o jogador fosse obrigado a cumprir a pena mais adiante. A tendência é que a Procuradoria do STJD também recorra da decisão para mudar a punição. Mas nesse caso, o jurídico tricolor poderá usar em sua defesa o fato de que o atleta já terá cumprido parte da sanção.

Antes mesmo da reunião de Bittencourt com a comissão técnica, Abel já tinha dado a pista de que tentar o efeito suspensivo para Rafael Moura podia não ser a melhor opção. Ainda mais porque a ausência do jogador será mais sentida, de fato, em apenas um jogo. Contra o Ceará, no dia 29 de outubro, em Fortaleza, Fred estará de volta ao time.

– E depois ele corre o risco de pegar mais jogos? Seria importante contar com ele agora, é claro. Mas tenho dois jogadores por posição. E se perdermos o Fred por contusão? Ficar sem o Rafael mais para frente seria pior ainda. É preciso ter coerência. Se não podemos criar um problema ainda maior para a reta final do Brasileiro – disse o treinador durante a entrevista coletiva da última quarta-feira.

Sem Fred e Rafael Moura, que marcaram quase 50% dos gols do Fluminense na temporada 2011, Abelão terá de quebrar a cabeça para escalar o ataque tricolor diante do Galo. A tendência é que Rafael Sobis jogue como homem de referência, função que já exerceu no Internacional, em 2005. A outra vaga é disputada por Martinuccio e Ciro, com vantagem para o primeiro, que entrou bem na vitória sobre o Palmeiras e deu a assistência para o gol da vitória. Já Marquinho, também suspenso, deve dar lugar a Lanzini. A provável escalação tricolor é: Diego Cavalieri, Mariano, Leandro Euzébio, Márcio Rosário e Carlinhos; Edinho, Valencia (Diguinho ou Fernando Bob), Deco e Lanzini; Martinuccio e Rafael Sobis.

Líder isolado do segundo turno com oito vitórias nos últimos onze jogos, o Fluminense ocupa a quinta posição do Campeonato Brasileiro, com 50 pontos.

Anúncios

Queridinho de Muricy, Sheik o exalta: ‘Tem coração do tamanho do mundo’

Emerson diz que pensou em deixar o Fluminense quando o treinador pediu demissão, mas não revela apelido que ganhou dele nas Laranjeiras

Emerson, aos poucos, vai se transformando em titular absoluto e em uma das peças de maior destaque do Corinthians. Neste domingo, no clássico entre Timão e Santos, às 16h, no Pacaembu, o atacante reencontra um dos responsáveis pela última grande fase que viveu na carreira: Muricy Ramalho. Com ele no Fluminense, apesar das lesões, o Sheik fez gols e foi fundamental na conquista do do Campeonato Brasileiro de 2010.

– O relacionamento com o Muricy foi muito bom, excelente, eu diria. Aprendi muito, é um cara que tem um coração do tamanho do mundo, um cara do bem, além de ser o profissional que todos já sabem – disse Sheik.

emerson muricy ramalho fluminense (Foto: Photocamera)

Sheik foi contratado pelo Tricolor carioca em junho do ano passado, dois meses depois de Muricy. A convivência não demorou a apresentar resultados. O atacante balançou as redes adversárias nos quatro primeiros jogos que realizou. Com o técnico no comando, aliás, ele anotou oito dos nove gols que fez pelo clube, o mais importante deles na vitória por 1 a 0 sobre o Guarani, no Engenhão, garantindo o título nacional – o outro gol foi com Enderson Moreira.

O sucesso de ambos pelo Fluminense, porém, foi curto. Logo em março de 2011, Muricy Ramalho pediu demissão após o empate sem gols contra o Flamengo, alegando falta de estrutura para realizar seu trabalho. Emerson também não duraria muito. Em maio, o atacante causou uma grande confusão ao cantar uma música alusiva ao rival rubro-negro no ônibus que levava a delegação para uma partida contra o Argentinos Juniors, pela Taça Libertadores. Resultado: contrato rescindido.

– Quando o Muricy saiu do Fluminense, fiquei muito triste. Pensei em sair junto. Tenho um respeito muito grande, gosto muito dele, do Tata (auxiliar técnico). São pessoas vencedoras – acrescentou o atacante, que disputou apenas 20 jogos pelo Flu.

A relação de técnico e jogador era tão boa que Muricy Ramalho criou até um apelido para Emerson.

O jogador prefere não revelar a alcunha. Após entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, mesmo com as câmeras desligadas, Sheik preferiu manter o segredo.

– A maneira que ele me chamava não posso falar. Vai ficar esquisito (risos) – desconversou o atacante, sondado pelo Santos antes de fechar com o Timão, por indicação de Muricy.

Agora em lados opostos, Emerson quer esquecer a boa convivência com o comandante. A meta é manter o Corinthians na liderança do Brasileirão diante do último campeão da Libertadores.

– É uma motivação a mais pelo grupo, pela história, pelo treinador e pelos atletas de alto nível que o Santos têm. É uma vitória que nos dá moral para continuar o trabalho.

Chamado de imbatível, Dedé retribui elogios do tricolor Abel Braga

Zagueiro foi exaltado pelo comandante do Fluminense e vai guardar para sempre palavras de carinho do treinador que brilhou na mesma posição

Não são só os vascaínos que admiram o futebol de Dedé. Após o clássico contra o Fluminense no último domingo, o técnico do Tricolor, Abel Braga, disse que o zagueiro vascaíno era praticamente imbatível na bola aérea. Lisonjeado com os elogios, Dedé agradeceu e lembrou que Abel, além de ser um grande treinador, foi um zagueiro de Seleção Brasileira.

– Fiquei emocionado quando li o que Abel Braga havia falado sobre minha atuação. Partiu de um dos treinadores mais conceituados no futebol e que entende bem da minha posição, pois foi zagueiro. Elogios assim sempre incentivam quem trabalha para buscar espaço na carreira – agradeceu Dedé.

O zagueiro aproveitou a oportunidade e retribuiu as palavras de carinho.

– Sei que por ser um jogador mais jovem, talvez o que eu disser sobre ele não terá o mesmo peso do que ele disse sobre mim. Mas aproveito a oportunidade para dizer sou, há muito tempo, um admirador do trabalho do Abel – finalizou Dedé.

O Vasco volta a entrar em campo na próxima quinta-feira, às 20h15m (de Brasília), no jogo de volta contra o Palmeiras, válido pela primeira fase da Copa Sul-Americana. No jogo de ida, o Vasco venceu por 2 a 0, em São Januário, e pode perder por até um gol de diferença que se classifica. O último treino antes do jogo acontece na manhã desta quarta-feira, às 10h (de Brasília), em São Januário. Pelo Campeonato Brasileiro, o clube fecha sua participação no primeiro turno no próximo domingo, às 16h (de Brasília), contra o Flamengo, no Engenhão.

Abel elogia Deco, mas admite que pensa em poupá-lo de alguns jogos

Apesar de empolgação com atuação do luso-brasileiro diante do Palmeiras, treinador se mostra preocupado em evitar sobrecarga e novas lesões

Mais uma boa atuação, e Abel Braga não se cansa de elogiar Deco. Titular novamente após mais de um mês – período no qual tratou de um problema na coxa e também entrou no decorrer do jogo diante do Coritiba -, o luso-brasileiro recebeu elogios rasgados do comandante após a vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras, neste domingo, em Volta Redonda, pela 11ª rodada do Brasileirão.

O entusiasmo, porém, não permite que Abelão perca a razão. Segundo ele, a sequência de jogos fará com que Deco jogue ainda mais em alto nível. Entretanto, será necessária uma programação especial para que o camisa 20 não sinta novos problemas médicos e desfalque a equipe.

– Estou extremamente contente. O Deco jogou bem, não sentiu nada, é um jogador diferenciado e vamos saber administrar bem a situação. Ele vai voltar a ter sequência . Em alguns jogos, não será escalado. Quando houver sobrecarga. O Vasco faz isso com o Juninho. É um grande jogador, e todo grande jogador faz falta. Ele tem um cuidado grande na parte tática, orienta muito os mais novos.

Deco, por sinal, é a aposta de Abel Braga para suprir a carência no meio-campo tricolor por conta da venda de Conca para o futebol chinês. Para justificar a escolha, o treinador relembrou a história do meia.

– Sempre disse que o Deco não deve nada ao Conca. O Conca é um ídolo, um jogador extraordinário, mas quando falamos de Deco lembramos de seleção portuguesa, Copa do Mundo, Eurocopa, títulos no Porto, no Chelsea… É um jogador diferenciado.

Com 15 pontos, o Fluminense é o décimo colocado no Brasileirão, e encara o Atlético-MG, quarta-feira, às 19h30m (de Brasília), no Ipatingão, em Ipatinga, pela 12ª rodada da competição.

Campeão com Abel Braga no Inter, Rafael Sobis vira alvo do Fluminense

Clube tem interesse na contratação do atacante, que está sem chances no Beira-Rio e pertence ao Al Jazira-EAU, ex-clube do treinador do Tricolor

O Fluminense já tem um novo alvo para reforçar o seu ataque: Rafael Sobis. Campeão da Libertadores no Internacional sob o comando do técnico Abel Braga em 2006, o jogador pode pintar nas Laranjeiras em breve. Com seus direitos econômicos presos ao Al Jazira (ex-clube de Abelão), dos Emirados Árabes, e atualmente emprestado ao próprio Inter, Sobis despertou o interesse da diretoria tricolor. O contrato com o clube gaúcho se encerra no dia 30 de junho e já está definido que ele não fica no Colorado. Recuperado de uma inflamação no joelho direito, o atacante não vem sendo escalado pelo técnico Falcão no Campeonato Brasileiro justamente porque seu futuro passa longe do Beira-Rio.

– Abel gosta do Rafael Sobis, e vamos tentar a contratação. Mas não é um caso fácil – disse o vice-presidente de futebol do Fluminense, Sandro Lima, sem querer entrar em detalhes.

Jogador de velocidade, Rafael Sobis seria contratado pelo Tricolor para formar dupla de ataque com Fred. Com 26 anos, ele foi revelado pelo Inter e já defendeu também o Bétis, da Espanha, antes de ser vendido para o Al Jazira.

Com escrita nas mãos, Corinthians pega o Flu, agora dirigido por Abel

Timão não perde desde 2005 para os cariocas, que apostam na chegada do novo treinador. Emerson Sheik enfrenta o ex-clube e encara o algoz Fred

Adversários neste domingo, às 16h, no Pacaembu, Corinthians e Fluminense querem aproveitar o bom momento no início do Campeonato Brasileiro para se fixarem nos primeiros lugares. Para isso, cada um conta com um aliado. O Timão joga em casa e tem a seu favor um tabu de 11 jogos sem derrota para o adversário. Já o Tricolor carioca aposta na tão aguardada estreia do técnico Abel Braga. Em meio à disputa pelos primeiros lugares está Emerson Sheik, que reencontra o ex-clube após a polêmica rescisão de contrato, agora sentando no banco de reservas alvinegro.

Desde o fim do Campeonato Paulista, O Corinthians atuará pela primeira vez no tradicional estádio paulistano neste Brasileirão. Foram dois confrontos como visitante diante de Grêmio (2 a 1) e Flamengo (1 a 1) e um como mandante frente ao Coritiba (2 a 1), em Araraquara, interior de São Paulo. Os números obtidos colocam o Alvinegro entre os líderes, com sete pontos e 77,8% de aproveitamento.

O Fluminense também mostra consistência nas rodadas iniciais. Depois de perder em casa para o São Paulo (2 a 0), o atual campeão nacional conseguiu reagir com triunfos diante de Atlético-GO (1 a 0) e Cruzeiro (2 a 1). Assim, pulou para seis pontos (66,7% de aproveitamento), já figurando no bloco que ronda a zona de classificação para a Taça Libertadores de 2012.

O duelo terá ainda um ingrediente especial. Dispensado por causa de atos de indisciplina em meio à disputa da Taça Libertadores, o atacante Emerson Sheik fará o primeiro jogo contra o Fluminense e ficará frente a frente com Fred, com quem insinuou não ter um bom relacionamento na passagem pelas Laranjeiras. Ele iniciará o duelo na reserva, já que ainda não tem totais condições físicas, de acordo com o técnico Tite.

Marcio Chagas da Silva (RS) é o árbitro da partida. Os auxiliares são Julio Cesar Rodrigues Santos (RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS).

montagem Fred Emerson Corinthians x Fluminense (Foto: Editoria de Arte / GLOBOESPORTE.COM)
header o que esta em jogo

Corinthians: com quatro pontos obtidos como visitante, o Corinthians corre agora para manter os 100% de aproveitamento como mandante. Desde o início do torneio, o técnico Tite exalta a necessidade de permanecer ao longo do Brasileirão entre os sete primeiros. Missão cumprida até o momento.

Fluminense: depois de derrotar Atlético-GO e Cruzeiro, o Fluminense busca diante do Corinthians a sua terceira vitória seguida na competição. O triunfo no Pacaembu, aliado a outros resultados da rodada, pode até colocar o atual campeão brasileiro na zona de classificação para a Libertadores.

header as escalações 2

Corinthians: Tite fez apenas uma mudança em relação ao time que empatou com o Flamengo, no Engenhão. A novidade é a entrada do zagueiro Wallace ao lado de Leandro Castán. Os atacantes Liedson e Jorge Henrique eram dúvidas durante a semana por problemas físicos, mas estão recuperados. O Alvinegro inicia a partida com a seguinte formação: Julio Cesar, Weldinho, Wallace, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho e Danilo; Willian, Liedson e Jorge Henrique.

Fluminense: com Fred de volta, o Fluminense levará a campo quase o mesmo time que derrotou o Cruzeiro. O camisa 9 entra no lugar de Rafael Moura, autor dos dois gols sobre a Raposa. No meio, Edinho é dúvida e será reavaliado até a hora da partida. O Tricolor jogará com: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Julio Cesar; Valencia, Edinho (Souza, Diogo ou Marquinho), Deco e Conca; Araújo e Fred.

quem esta fora

Corinthians: o único desfalque é o zagueiro e capitão Chicão, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Fluminense: o volante Diguinho e o zagueiro Digão são os desfalques do Fluminense para a partida contra o Corinthians.

header pendurados

Corinthians: nenhum jogador pendurado.

Fluminense: nenhum jogador pendurado.

header fique de olho 2

Corinthians: contratado do Figueirense no início do ano para ser mais uma opção no grupo, o atacante Willian vem se firmando a cada rodada como titular e já entra na briga com as estrelas pela posição. No último domingo, teve bela atuação e, de quebra, fez o gol paulista diante do Flamengo.

Fluminense: convocado para a Copa América, Fred retornou ao clube após disputar os dois últimos amistosos da Seleção Brasileira e foi o grande destaque do coletivo da última quinta-feira, com três gols. Motivado, o camisa 9 busca seu primeiro gol no Campeonato Brasileiro de 2011 antes de se apresentar no dia 20 ao técnico Mano Menezes para a disputa da competição sul-americana.

header o que eles disseram

Fábio Santos, lateral-esquerdo do Corinthians: “Conseguimos quatro pontos fora de casa contra duas equipes que também brigam pelo título. Fazendo o nosso dever de casa, teremos uma tranquilidade maior. Precisamos focar em conquistar mais pontos em casa”.

Abel Braga, técnico do Fluminense: “O Corinthians jogou de três formas diferentes no Brasileiro e treinamos em cima delas usando duas formações diistintas. Nós temos dúvidas para a partida e o Corinthians também. Vai ser o jogo dos problemas”.

header números e curiosidades

*O Corinthians não perde para o Fluminense desde o primeiro turno do Brasileiro de 2005. No dia 26 de junho, o Flu venceu por 1 a 0, em Mogi Mirim-SP, gol de Gabriel. Desde então, as duas equipes se enfrentaram mais 11 vezes, com seis vitórias do Timão e cinco empates.

*No Pacaembu, a última vitória do Flu sobre o Corinthians foi por 2 a 0, no Brasileiro de 2002, gols de Andrei e Roni. Nas sete últimas partidas entre Corinthians e Fluminense no Pacaembu, o Timão venceu quatro vezes e houve três empates.

*Na história do Campeonato Brasileiro, Corinthians e Fluminense se enfrentaram 22 vezes no estado de São Paulo, com vantagem corintiana. O Timão venceu nove vezes e empatou sete, contra seis vitórias do Flu. Foram 25 gols marcados pelo Timão e 22 pelo Flu.

*Fluminense e Corinthians fazem um clássico de retrospecto equilibrado. Em 78 anos de história, foram realizados 89 jogos entre as duas equipes, com 34 vitórias corintianas, 32 do Flu e 23 empates, sendo 124 gols dos paulistas e 123 dos cariocas.

header último confronto v2

Corinthians e Fluminense se enfrentaram pela última vez no dia 15 de setembro do ano passado, em duelo que valia a liderança do Campeonato Brasileiro. Mesmo jogando no Engenhão, o Timão venceu por 2 a 1, gols de Jucilei e Iarley. Washington descontou para os cariocas. Com o resultado, as equipes empataram na primeira posição com 41 pontos, mas os paulistas tinham um jogo a menos.

É para você, Abel: Com dois gols de He-Man, Flu supera o Cruzeiro

Rafael Moura garante 2 a 1 para o Tricolor no Engenhão. Partida foi a última sem o treinador, que chega quarta-feira, após longa espera

Em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, Abel Braga deve estar com o sorriso de orelha a orelha. Em noite de Rafael Moura, o Fluminense derrotou o Cruzeiro por 2 a 1, neste sábado, no Engenhão. Com a vitória na terceira rodada do Brasileirão, o time aguarda em clima de paz o treinador, que, após mais de dois meses de espera, chega ao Brasil na próxima quarta-feira. Substituto de Fred, na Seleção, He-Man foi autor dos gols cariocas, enquanto Anselmo Ramon descontou.

O duelo diante da Raposa, na verdade, já representou o início da “Era Abel” nas Laranjeiras. Auxiliar do treinador, Leomir comandou a equipe do banco de reservas e viu seu primeiro pedido ser atendido: o Flu continuou marcando bem, como ele tinha analisado, mas foi mais ofensivo, com direito a uma nova boa atuação de Deco. Com a vitória, o Tricolor pula para seis pontos, na sexta colocação, e encara o Corinthians, no outro domingo, às 16h (de Brasília), no Pacaembu.

Já o Cruzeiro, equipe sensação do início do ano no futebol brasileiro, segue sua via-crúcis após a eliminação nas oitavas de final da Libertadores. Se o título mineiro foi importante para aliviar a ressaca, em três partidas a equipe ainda não venceu no Campeonato Brasileiro e tem somente um ponto. Na 17ª colocação, o time está surpreendentemente na zona de rebaixamento e recebe o Santos, no próximo sábado, às 18h30m, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

Primeiro tempo em três atos e vantagem do Flu

O Fluminense sem Fred. O Cruzeiro sem Fábio e Henrique – todos na Seleção. Noite chuvosa no Rio de Janeiro. E público ruim. Os fatores extracampo não colaboravam para que o duelo no Engenhão fosse um grande espetáculo. Mas estavam em campo os atuais campeão e vice do Brasileirão. Motivo suficiente para que se esperasse um bom jogo. E foi o que aconteceu em um primeiro tempo dividido em três atos.

Com Montillo e Conca abaixo do esperado, Gilberto e Deco assumiram a responsabilidade de conduzir as equipes ao ataque. Foram 45 minutos divididos em tempos de 15. Na primeira parte, o Fluminense marcou pressão, dificultou a saída de bola de um Cruzeiro que quase não passou do meio-campo e abusou das jogadas pelas laterais com Mariano e Julio Cesar. Essa, por sinal, uma orientação de Abel Braga pela voz de Leomir. O Tricolor era todo ataque, mas criava poucas chances claras de gol.

A partir dos 16, a maré virou, e a cor predominante em campo foi o azul. Inquieto, Gilberto corria de um lado para o outro e conduzia a equipe mineira. O veloz Wallyson enlouquecia os zagueiros. Porém, faltava ao Cruzeiro também poder de fogo, e as melhores oportunidades surgiram em faltas pelas laterais e chutes de longa distância. Nada capaz de tirar o sono de Berna.

Até que chegou o minuto 31, e, como se fosse combinado, o Flu voltou a tomar conta do jogo. Emplacando sua terceira boa atuação consecutiva, Deco dava bons passes, driblava e levava perigo em chutes de longe. E de tanto tentar, o luso-brasileiro fez a diferença aos 46, quando cobrou falta com maestria na cabeça de Rafael Moura. O He-Man testou firme na pequena área e decretou o placar na descida para o vestiário: 1 a 0.

He-Man entra em ação novamente e garante vitória tricolor

Na volta para o segundo tempo, a partida perdeu suas “divisões” e passou a ser disputada em um panorama muito claro: o Cruzeiro, com Anselmo Ramon e Brandão ao lado de Wallyson no ataque, se mandava como uma avalanche em busca do empate, enquanto o Fluminense apostava nos contragolpes puxados pela dupla Conca e Deco. A tática cruzeirense surtiu mais efeito.

Tirando alguns chutes sem muito perigo de Deco e Rafael Moura, o Tricolor se mostrava mais preocupado em administrar a partida do que em atacar. E isso ficou claro no lance do gol de empate dos mineiros. Em saída para o ataque, Deco optou por segurar a bola e se escorar na marcação, em vez dos toques rápidos do primeiro tempo. Pecado mortal. Leandro Guerreiro fez o desarme, e Brandão acionou Wallyson. O camisa 9 tabelou com Anselmo Ramon e cruzou para o próprio companheiro escorar na pequena área e decretar o empate em boa trama celeste, aos 21.

O susto, porém, foi suficiente para acordar o Fluminense. Já com Araújo no lugar de Rodriguinho, a equipe trocou o marasmo pela objetividade e voltou a ficar em vantagem aos 26. Em lance digno de um apoiador, o volante Valencia descolou bom passe para Rafael Moura, livre dentro da área. O He-Man dominou, levantou a cabeça e viu um buraco gigantesco na sua frente, proporcionado pelo mau posicionamento de Rafael. Foi necessário apenas tocar no cantinho para fazer 2 a 1.

O Cruzeiro ainda assustou nos minutos finais, mas não conseguiu novo empate. Na arquibancada, gritos “o campeão voltou”. Em Abu Dhabi, felicidade e otimismo para quem, a partir de quarta, terá a missão de conduzir o barco tricolor.

%d blogueiros gostam disto: